Sábado, 25 de Junho de 2022
17°

Céu encoberto

São Paulo - SP

Câmara dos Deputados Câmara dos Deputados

Comissão rejeita projeto que impede policiamento militar em eventos privados

Gustavo Sales/Câmara dos Deputados  Major Fabiana: a polícia militar têm o dever de atuar sempre que a ordem pública estiver sendo violada A Comi...

25/05/2022 às 11h56
Por: Penha News Fonte: Agência Câmara de Notícias
Compartilhe:
 Major Fabiana: a polícia militar têm o dever de atuar sempre que a ordem pública estiver sendo violada - (Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados)
 Major Fabiana: a polícia militar têm o dever de atuar sempre que a ordem pública estiver sendo violada - (Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados)

A Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados rejeitou projeto de lei que proíbe a utilização de policiamento militar para realização de atividades de segurança pública em eventos privados.

O PL 8063/17 é de autoria do deputado Pastor Eurico (PL-PE) e foi relatado pela deputada Major Fabiana (PL-RJ), que deu parecer contrário. O texto altera o Decreto-Lei 667/69, que trata da atuação da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

Miranda argumenta que o emprego de policiais em eventos de cunho privado acarreta prejuízo ao policiamento ostensivo em outras áreas. A relatora, porém, afirmou que as polícias militares têm o dever legal de atuar e intervir em qualquer situação em que a ordem pública esteja sendo violada, independentemente se em local público ou privado.

“Ressalte-se que todo e qualquer evento privado é polo atrativo de pessoas e recursos financeiros, fato que potencializa a probabilidade de incidência criminal, não somente no interior destes eventos, mas também em suas áreas adjacentes”, disse Fabiana.

Ela afirmou também que a presença de policiais em grandes eventos privados, como shows, garante a segurança das pessoas e estimula a economia e o turismo.

Tramitação
Como foi rejeitado na única comissão de mérito, o projeto será arquivado. A não ser que haja recurso ao Plenário contra o arquivamento, assinado por pelo menos um décimo dos deputados (52).